Operações, Seguradoras e Planos de Saúde: inovação na saúde suplementar

Operações, Seguradoras e Planos de Saúde: inovação na saúde suplementar

Mudanças no setor de saúde têm sido realizadas com diversas transformações digitais, principalmente pela crise causada pela Covid-19 que fez com que muitos processos  de inovação na saúde suplementar fossem acelerados. A necessidade de inovar na saúde está mudando a forma de pensar processos e as operadoras buscam melhorar a qualidade do serviço, otimizar recursos e reduzir custos.

No último Health Tech, evento realizado pela Assespro-RJ, com patrocínio do SAUDI, empresas mostraram algumas inovações que podem impactar a saúde nos próximos anos, os benefícios gerados e como adotar essas soluções nos serviços oferecidos pelo setor.

De acordo com um relatório produzido pela Global Market Insights, o mercado de health tech deve alcançar US$ 504 bilhões já em 2025. No Brasil já é possível notar o crescente interesse de grandes empresas nesse ramo tanto no surgimento de startups voltadas para esse setor como para capacitação e aprendizado da comunidade médica, cada vez também mais atuante em pensar e desenvolver soluções voltadas a acompanhamento, prevenção, diagnósticos etc.

 

Case de inovação na saúde

Uma das empresas participantes do evento, a Win Social, parceira da MAG Seguros que também faz parte do Grupo Mongeral Aegon, está presente em mais de 20 países atuando nas áreas de seguros, investimentos e previdência no Brasil, inovou realizando a Assembleia online.

De uma hora para outra com a pandemia, muitas empresas tiveram que se adaptar a novos processos e escolher tecnologias que as pessoas pudessem acompanhar, até porque não teria como transportar a assembleia presencial totalmente para o online.

Porém, o resultado financeiro foi muito bom e rápido. A empresa realizou três assembleias por ano, R$ 500.000 cada evento e um aumento de 50% na mudança de formato.

E se não fosse a pandemia? Essa é uma pergunta sem resposta, porque o trabalho já estava sendo feito, mas como tudo, teve que ser acelerado por conta da pandemia. Mesmo com toda essa crise, a empresa não se acomodou. E mesmo com tudo voltando ao normal teve consciência de que precisa continuar inovando, porque é essencial trazer coisas novas para o negócio.

 

De olho no futuro, novos ciclos já estão sendo pensados

Depois de um período de insuficiência digital veio a alta no tratamento médico com a telemedicina, venda online, salesforce, chatboots, gerenciamento de APIs, RPA, previsibilidade de custo médico próximo ao tempo real.

Sistemas que possibilitem uma análise preditiva onde se pode mitigar alto custo, automação de auditoria médica onde pode-se ter uma redução de custo médico, data cloud, dados compartilhados na nuvem para atendimento às diversas necessidades do negócio.

Para uma redução de custo será dada uma atenção primária ao cliente até porque essa empresa não usa a doença e sim a saúde, prevenção e cuidado dos pacientes visando redução de custos.

Para inovar será necessário ter pessoas, processos, e tecnologia bem integrados. Os processos devem ser ágeis na prática, focados em melhoria contínua. A evolução precisa ser gradativa.

Num breve futuro a saúde será gerida por empresas de tecnologia com produtos de saúde. Tem vários players entrando no mercado muito forte. A busca por melhoria é uma jornada que nunca pára.

As operadoras vêem as oportunidades de inovação nas suas operações tendo o indivíduo como centro. Empoderar o indivíduo e acompanhar da jornada da vida dele é um dos objetivos das operadoras, assim como da Win Social.

Um exemplo disso foi uma pessoa que teve seu seguro negado por conta da taxa glicêmica. O cliente foi procurar melhorar para ter uma vida mais saudável e conseguir fazer o seu seguro. A empresa deu a ele um empoderamento, uma forma dele mesmo se ajudar.

 

Como a UNIMED-Rio usa a tecnologia a seu favor

Outra participante do evento que está usando a tecnologia para acompanhar os clientes e ajudá-los a ter uma melhor qualidade de vida e por outro lado reduzir custos é a Unimed-Rio.

Integrações por aplicativo para realizar um acompanhamento do cliente e num futuro próximo, um intercâmbio de clientes entre as regiões, são algumas soluções para a operadora.

Existe uma iniciativa de compartilhamento de informações entre o grupo Unimed, prontuário eletrônico, iniciativas até do próprio governo para estabelecer padrões de prontuário eletrônico para compartilhamento e todo o cuidado com a LGPD. Esse é um desafio conseguir criar, fazer rodar bem esse prontuário eletrônico para que esse cuidado com cliente no final das contas seja muito melhor executado.

Para exemplificar seria o seguinte: um exame que um paciente faça na cidade do Rio de Janeiro hoje quando ele voltar para a cidade dele de origem, será possível ver todo o histórico desse indivíduo.

Outro desafio muito grande é o modelo de remuneração das operadoras e prestadoras. Isso é uma inovação de modelo em si. A Unimed atualmente trabalha num sistema de pagar pelo serviço. Fee For Servisse, e ela não tem o foco na qualidade, no atendimento, no paciente. É um desafio a operadora conseguir que toda essa cadeia que está em volta das operadoras aceite e entenda que esse modelo precisa mudar para a eficiência do todo.

Para as operadoras é muito caro esse modelo. Para os prestadores, eles ganham bem, mas por outro lado quem perde também é o paciente, então, cada um com seu olhar é preciso conseguir criar esses modelos atuais, com esses olhares novos.

É aí que entram as healthtechs, onde muitas vezes entram como modelo inovador, com prestadores novos, sem vícios de mercado, com uma condição de gerar um outro modelo de negócios muito mais voltado para os cuidados e qualidades, desafios esses que as grandes operadoras veem apresentando.

 

Antenado com as tendências de inovação na saúde suplementar

Agora que você já está por dentro dos cases de inovação destes grandes players do Mercado de saúde, dê o primeiro passo conhecendo o sistema SAUDI, destinado à manter a “saúde financeira” das Operadoras de Planos de Saúde Suplementar.

Nosso software automatiza o processo de auditoria médica dos prestadores de serviços, possibilitando um enorme ganho de transparência para ambos os lados (operadoras X prestadores de serviços) e uma significativa redução de custos.

Atuando em todo o processo, desde a solicitação de autorização para procedimentos médicos da rede de prestadores, passando por OPME e Auditoria Concorrente, até a sua respectiva liberação para pagamento, o objetivo do SAUDI é que as empresas da área tornem-se mais saudáveis e alcancem melhores resultados por meio da transparência e gestão adequada dos seus custos assistenciais.

O resultado é surpreendente logo nos 3 primeiros meses de uso!

 

Receba o vídeo completo do painel “Operações, Seguradoras e Planos de Saúde: inovação na saúde suplementar”  em seu e-mail:

[contact-form-7 id=”2118″ title=”Enviar link, OPERAÇÕES..”]

 

Posts relacionados
pt_BRPortuguese